Pronto, já não é mais um monólogo... Mas sabe que do tempo pouco sei, pois as horas tem sido um falcão a mergulhar atrás de uma presa, do conhecimento. Ana D.Echabe

sexta-feira, março 12, 2010

Sobre o útero dela

"Um homem jamais pode entender o tipo de solidão que uma mulher experimenta.
Um homem se deita sobre o útero da mulher apenas para se fortalecer, ele se nutre desta fusão, se ergue e vai ao mundo, o seu trabalho, uma sua batalha, sua arte. Ele não é solitário. Ele é ocupado.
A memória de nadar não completude líquido aminótico lhe dá energia,. A mulher pode ser ocupada também, mas ela se sente vazia. Sensualidade para ela não é apenas uma onda de prazer em que Ela se Banhou, uma carga elétrica de prazer nenhum contato com outra. Quando o homem se deita sobre o útero dela, ela é preenchida, cada ato de amor, ter o homem dentro dela, um ato de nascer e renascer, carregar uma criança e carregar Um homem. Toda vez que o homem deita em seu útero se renova sem desejo de agir, de ser. Mas para uma mulher, o climax não é o nascimento, mas o momento em que o homem descansa dentro dela. "

5 comentários:

Maria Dias disse...

Nossa é verdade somos como água e óleo...

Palavras certeiras e fortes de uma mulher inteligente.

Beijinho!

Pedrasnuas disse...

"Um homem jamais pode entender o tipo de solidão que uma mulher experimenta.

SERÁ MESMO ASSIM? NÃO SEI ...

ADOREI O VÍDEO...TALVEZ VOLTE PARA ME PRONUNCIAR COM MAIOR ACUIDADE...

BEIJINHOS AZUIS COM BOLINHAS COR DE ROSA

Cynthia Lopes disse...

Ah gostei,
mais uma de Anais Nin!
bjs

sideny disse...

Pla ADiniz

Gostei.

Bom fim de semana.

beijinhos

O Profeta disse...

Imagino o canto maternal das baleias
Como doce e sentida balada
Imagino um beijo na procura
De uma fugidia criatura amada

Um domador de ventos e tempestades
Uma viagem de aventuras repleta
Serei eu um herói de comédia de enganos?
Ou apenas um pobre e louco poeta

Doce beijo

Cartão de Visita do Facebook