Pronto, já não é mais um monólogo... Mas sabe que do tempo pouco sei, pois as horas tem sido um falcão a mergulhar atrás de uma presa, do conhecimento. Ana D.Echabe

terça-feira, dezembro 07, 2010

Tempus

O futuro mais brilhante
é baseado num passado intensamente vivido.
Clarice Lispector
Serie “il Segreto”
UM FUTURO VIVIDO
Meus olhos estão molhados, de saudade do futuro que vivemos. Mais uma vez, escrevo para você e assim o farei, até o dia em que outras certezas pegarem-me de assalto, numa terça-feira qualquer, de um meio de mês qualquer, numa rua qualquer de um bairro no estrangeiro. Até o dia em que eu passar por outro alguém assim igual passei por você.
Lembra-se? Após anos, decidi mudar o trajeto, velho conhecido e mudar de rua. Mudei de endereço num dia marcado para passar por você, que vinha andando, cabeça baixa. Eu, distraída. Você carregava cartas, escritas para alguém, mais tarde, bem mais tarde, descobri, você escrevia cartas porque queria ser só seu, mas sentia-se numa longa espera, por alguém que você nem sabia se apareceria e mesmo se existia.
Derrubei você e as cartas. Você ofereceu um chá, e, eu que não gosto de chá nem café aceitei. Li as cartas em nossos setenta e sete dias, até o dia em que você pulou no primeiro vagão de trem e me deixou parada, perplexa e só, na estação.
A mesma estação onde permanece fechada; a casa? Não sei. Escrevo-lhe para dizer que, ela agora nem mais é minha, também a abandonei, feito você. A nossa casa, que sequer pisamos nela, mas que muito bem a conhecemos, está lá, na beira daquela estrada, abaixo da linha férrea, tudo trancado, relógio parado, toalha no chão caída. Lá, eu não volto, apesar de que saí na noite passada, atrás de você, e, você em outra casa, fechado dentro dela, deixava a voz ecoar ao vento que chegou a mim e ouvi. Já sei. Você não quer.


Você nem gritou adeus e arrancou-me da minha mão todas as cartas. Na hora, as portas se fecharam, a do trem e a da casa, aquela que sequer foi aberta! Nem chegamos lá, você partiu antes, aflito e medroso, sumiu. Eu corri lá, peguei a lembrança de tudo aquilo que compartilhamos, bati portas e janelas, num misto de ódio e ternura, peguei tudo, todos os sentimentos e os carreguei nas mãos enquanto ainda as queimavam... até que tudo se acalmou, e eu então guardei tudo, dentro de um botão de uma rosa branca, abri e fechei as folhas pétalas, perpétuas, igual fazia com as cartas, e decidi lhe escrever para dizer que tudo aquilo eu vivi, você querendo ou não, e este é o teu castigo: a eterna lembrança de mim, que você não quer. Em mim, ficou tudo de ti, mas você, eu nunca neguei. Em mim, janela e porta, uma vez aberta, não fecha.
por Suzana GuimarãesO MEDO DE SUZANA
Você não quer, então eu também não quero. Queremos pegar numa cadeira, sabendo que é uma cadeira, sentindo-a cadeira, queremos nos sentar nela, bem distantes a minha da tua, assim você quer e eu concordo, e queremos esperar os dias seguirem normais. Chega de corações saltando pela garganta, de noites mal dormidas, de cabelos arrepiando sem que ventos lhes tocassem, sem que pensamentos os eriçassem. Chega de sobressaltos, de tapas em palavras, de beijos surrealistas escorrendo por alças de blusas. Chega daquela coisa insana, de nossas e de tuas.

21 comentários:

AC disse...

Não há futuro que não se socorra da memória...
Hoje trouxe-nos as palavras da Suzana. Que maravilha!

Beijo :)

Lu disse...

Puxa vida, que parceria ímpar!
A foto esplêndida da Ana!
O texto, que pensei ser uma continuação da citação de Lispector, acima, e foi me tirando o fôlego, me envolvendo, para só no final eu saber que é da querida Suzana, essa escritora rara, que sempre me toca fundo com suas poesia, sua palavra escrita inconfundível!
Obrigada às duas por estes presentes, que seguirão comigo!
Beijos, queridas!

ADiniz disse...

Hj quero agradecer a uma pessoa em especial,
a vc Suzana
Desde a primeira visita no Fluid, mostrou sempre muito respeito e carinho por esta pagina que só tem a pretensão de fazer uma imitação barata das cores da vida, da natureza, de tudo que nos envolvi, mas que por N razões passam em nossos olhos por cinco segundo e poderia ser realmente o tempo suficiente pra nós que temos a idade do céu neste grande afã louco de chegar a algum lugar na proporção desta distancia de nossa idade. Mas bem, ainda assim vc atendeu um pedido meu, como um anjo que rapidamente me ampara.
Querida Su fico imensamente feliz em ter aqui palavras sua dando cor a imagem captada por mim entintada por ti, alguém que admiro por sua coragem, transparência, e sem duvida como poucas, por sua capacidade de encantar com seus contos poemas e afins do universo das palavras.
Abraço-te no pulsar de meu coração.

Lily disse...

Querida Ana,

Passando aqui, rapidinho, voltarei mais tarde.

Você me fez escrever um texto em minutos, e agora, antes que eu pule da cama, estou postando no meu Blog a notícia de que estou aqui.

Sou eu quem agradeço. Você me desafiou e eu adoro isso! Obrigada. Beijos. Obrigada.

Suzana

Aleatoriamente disse...

Bom , para mim não foi novidade ver essa peralta da Suzana aqui e com um texto que é uma maravilha de sorver.

A tua arte Ana é uma ternura linda.
União completa de texto e imagem, ambas poesia.
Minha admiração corre solta por entre texto e imagens com um carinho que pareco estar nas nuvens.

Não não é brincadeira ou coisa parecida senti isso, na beleza do conjunto.
Gosto muito das duas, mas o sentimento é algo único."Só se vê bem com o coração, já que o essencial é invisível aos olhos".

Mesmo que a escrita seja simples, mas eterniza a beleza da essência.
Simplesmente belo.

Parabéns as minhas duas queridas, muito queridas.
Beijo.
Fernanda.

Aleatoriamente disse...

Quis dizer pareço.

Lufe disse...

Ana,

Vim aqui linkado pela Suzana e encontro essa foto maravilhosa, um explendor de cores e este texto sempre intenso da Suzana. Parabens as duas e obrigado pelo presente.

bjos

Lily disse...

Ana, querida, voltei!

Não vou comentar o texto, ele prescinde de meus comentários...

Você enviou-me a fotografia e as três palavras "futuro/intensamente/vivido". Eu nada podia fazer na hora em que recebi teu e-mail, devido a um compromisso, mas deixei a imagem acomodar-se em mim, correr lembrança no sangue... cheguei em casa, mais tarde, abri o computador e o texto saiu inteiro.

Belíssima foto! Perfeita!

E os vídeos? Ah, Ana, ser bailarina... qual menina não quis ser? Eu quis, mas cheguei tarde nas barras. Um show, o bailado da moça, e o Sting ao lado, contracenou (?) com ela e se foi.

A letra da outra música do Sting... moça, você também tem bola de cristal, vassoura, caldeirão e tudo mais? E eu me achando a única bruxa do pedaço...

Mil anos, Ana, quantas vezes? Sim, eu tenho a minha crença e ela chega a ser mesmo absurda, mas é a minha certeza de que esta vida vale a pena, vale as mil vezes, cada uma delas.

Enorme prazer ter escrito um texto a pedido teu. Enorme prazer ter compartilhado teu espaço com você.

Obrigada!

Suzana/LILY

Helcio Maia disse...

Permita-me comentar (batendo palmas) mais um texto soberbo da Suzana, a quem considero, ainda que virtualmente, uma pessoa amiga. Ela comenta com o entusiasmo de quem compõe uam sonata, escreve com a naturalidade das manhãs de sábado.
Imagem e texto unificaram-se, magicamete.
Quanto ao teu espaço, bastaria constatar (e saborear) essa deliciosa provocação (concedida à Suzana) para gostar de estar aqui.
Parabéns!!

VEREDAS, por Marluce disse...

Suzana+ADiniz,


Nossa, um post assim é só somar!


Gosto de fotos assim que contam histórias, para Suzana e para quem vem aqui, deleitar-se na leitura desse conto poético da amiga Suzana!


Em negrito tem um poema? Perfeito!


Parabéns!

Um abraço, Marluce

ADiniz disse...

Marluce

Então... esta é mais uma das tantas maneiras que se pode sentir uma pessoa quando se deseja,
entre linhas, ali em palavras ditas de tantas formas diferentes.
Sim só dei mais um aparte de Suzana pra Suzana por mim.

Obrigada a todos.

Léo Santos disse...

Muito bom! Desafio interessantíssimo e escritora extremamente talentosa! Parabéns!

Um abraço!

Suzana Martins disse...

Uau... maravilha!!!

Perfeita imagens e palavras encantadoras.

Palavras que faz viajar, que faz delirar, que brinca de passado, presente e futuro. Palavras que faz tempo, que faz-se eternas!!

perfeito, Suzana!!

Guardo tudo dentro de mim!!

Lindo!!!

Beijos, Su-su!!

Suzana Martins disse...

ops....

já ia esquecendo...

Parabéns ADiniz pelo excelente convite e por esse momento mágico!!

beijos

Lily disse...

Ana,

Voltei para assistir um pouco mais ao vídeo do Sting com a bailarina clássica. Menina, dá o maior tesão assistir aos dois se preparando, o antes, as preliminares. Cenário espetacular! O tom das cores ou as cores do tom... o quase silêncio. E o Sting, valha-me meu Bom Deus, esse cara tem 59 anos (confirmei no Google)... o que que é isso? Santíssima, eu não o via há tempos... e esse aí nem sabe o que é isso: tempo.

Beijos e ótima terça-feira para ti! [amanhã, vou me matar no jj...rs, vou treinar com mais motivação...que benção!]

Lily disse...

Obrigada a todos pelas palavras deixadas aqui para mim e para a Ana.

Beijos!

Valéria Sorohan disse...

Eu achei lindo Ana. Tudo que Suzana escreve é lindo. Parabéns! Parceria perfeita.

BeijooO*

ADiniz disse...

Lily
ói noís aqui través
o que não é costume

Pois faltou responder a sua pergunta lá de cima sobre qual menina não sonho em...
Eu, sou mais pra street dance, stomp,, tai chi, não sou do tipo balet, nooooop
Mas acho lindo e admiro muito que se submeti a tamanha agressão física desta arte. Ao olharmos tudo assim já pronto, este presente FUTURO BRILHANTE esqueci do PASSADO INTENSAMENTE VIVIDO, basta ver ao ponto Maximo de alongamento que a bailarina faz na quebra do peito do pé, é de deixar qualquer um pasmo.
E o Sting, uma escultura romana viva em plena forma mesmo, o garoto tem a pratica do Yoga, sabia?!
Realmente este vídeo esta belíssimo, ali todas as artes juntas em plena harmonia.

Su, menina espero que tenha se matado
mas só no jj
o suficiente pra ficar com alem roxa,
Pois este passado terá um futuro brilhante a vc.
BJokas e pomada Hirudoid pra vc.

E a todos mais uma vez grata pelo carinho da presença

Menina no Sotão disse...

Adorei o espaço e a missiva me levou de encontro as minhas laterais. Um devaneio meu, me imaginei em escadas e berais, falando com um menino moço atrevido e dizendo a ele que ficava para depois e calhou que o amanhã nunca chegou e ele nunca mais passou pela minha janela. Bacio

Karlinha Ferreira disse...

Texto simplesmente perfeito!

Tocou-me de um jeito descomunal...
Lembrei de um amor, lembrei-me de um pai, de dois amores distintos, mas de posturas quanto a mim que se assemelham...

Lindo, triste, tocante!

Beijos!

P.S. Tow te seguindo!

Lily disse...

Sempre quando me preparo para viajar, não só arrumo as malas, mas também deixo as almofadas encostadas, arrumadas em seus sofás, junto os brinquedos espalhados, empilho os livros e papéis da minha mesa, lavo todos a louça, dobro as toalhas, ajeito as cobertas das camas, ajeito as cortinas, deixo tudo arrumado para a minha ausência. Depois saio e bato a porta.

Faço assim porque acredito que nunca fiz, nunca consegui.

É bom o sentimento da lembrança. Perfeita.

Beijos, minha amiga, doce Ana.

Suzana/LILY

Cartão de Visita do Facebook