Pronto, já não é mais um monólogo... Mas sabe que do tempo pouco sei, pois as horas tem sido um falcão a mergulhar atrás de uma presa, do conhecimento. Ana D.Echabe

quinta-feira, fevereiro 05, 2009

Noite prata crescente
Um colo ausente
Pisadas das folhas
Saudade soluça
Turbina do avião
Distancia união

4 comentários:

L. disse...

Isso me lembrou alguém, um lugar, uma distância e uma saudade.

O Profeta disse...

Construí um abrigo no deserto da emoção
Os vales são as ruas de um Deus
Fecha-se a alegria da terra
Um último olhar de amor, solto dos olhos teus

Na noite tudo se perde
Mora a sombra o desvario
A indomável vontade do amor
Tem a força de um Rio

Boa semana


Mágico beijo

AlmaAzul disse...

Gostei muito da sonoridade:)
Não conhecia o teu blog e está a ser um prazer faze-lo.

Pedrasnuas disse...

A distância só leva o que a vida nos impede de ter.

Abraços

Cartão de Visita do Facebook